O Festival de Jardins de Ponte de Lima realiza-se na vila com o mesmo nome desde 2005 e cada edição tem uma temática. O Festival é uma explosão de cor, uma celebração da natureza e das diferentes formas de ver/construir um jardim – seja de plantas ornamentais ou comestíveis.

2008

Edição de 2008

Pessoalmente comecei a acompanhar o festival desde 2008 (falhei a edição de 2010 por razões que não me recordo) e do ponto de vista de cor e para um fotógrafo é um festival que não desilude porque é fácil conseguir boas fotografias. Habitualmente o festival inicia-se em Maio e termina em Outubro mas desaconselho o pico de verão e o inverno dado que as temperaturas são desagradáveis de suportar – calor e frio – sobretudo no verão dado que as zonas de sombra são poucas.

Não é necessário grande equipamento para fotografar neste local, serve quase tudo desde que tenha boa qualidade de imagem, desde compactas de gama média/alta até Dslr’s de topo…

O festival está situado no Jardim do Arnado numa zona junto às margens do Rio Lima e consegue-se ver toda a zona histórica de Ponte de Lima na outra margem, para quem gostar de uma boa caminhada e/ou pedalada existe um trilho que liga o jardim às Lagoas de Bertiandos, outro marco local de natureza/sustentabilidade. Ponte de Lima está perto de Viana do Castelo, cujo acesso se faz através da A27, de Ponte da Barca e tem uma zona histórica rica em monumentos e pontos de interesse; o jardim em si está bem cuidado, com o festival a ocupar uma parte do mesmo, sendo o restante mantido bem cuidado e com árvores autóctones. É possível passear entre as ramadas de limoeiros carregados de frutos e no outono entre os castanheiros cujos ouriços caem no chão cheios de castanhas enormes e de sabor intenso.

2009

Edição de 2009

Não é necessário grande equipamento para fotografar neste local, serve quase tudo desde que tenha boa qualidade de imagem, desde compactas de gama média/alta até Dslr’s de topo, eu já fotografei os festivais com uma compacta – Nikon P5000 -, uma Dslr média – Nikon D200 – e uma Dslr de topo – uma Nikon D800. Em termos de lentes usei grandes angulares, lentes “normais” (50mm) de grande abertura e teleobjectivas médias ou longas (85mm e 180mm) com excelentes resultados, reconheço que uma grande-angular extrema dá resultados bastante apelativos por isso se tiver uma lente na casa dos 16-24mm ou zoom que tenha essa gama (16-35f4 da Nikon e 16/35/f2,8 ou 17-40/f4 da Canon, por exemplo) use-o!

2011

Edição de 2011

2011 (1)
Edição de 2011

Em termos do festival em si mesmo acho que se tem conseguido manter uma boa relação entre criativadade e a ideia que todos temos do que é um jardim, ao longo dos anos existiram jardins que se destacaram pela positiva, embora os vencedores estejam longe de reunir unanimidade, mas também houveram outros que se colocavam mais do lado da Land-Art ou instalação…

Para quem mora na zona norte do país é um acontecimento imperdível, para quem mora mais longe é uma excelente razão para passar uns dias numa localidade carregada de histórica, com zonas naturais de elevada beleza – Serra d’Arga, Lagoas de Bertiandos, Corno do Bico – perto, numa localização central para visitar o Minho e o norte.

2012 (1)

Edição de 2012

2012 (2)

Edição de 2012

2012

Edição de 2012

A entrada custa cerca de 1€ (a preços de 2012) mas é possível comprar um passe para toda a época por cerca de 2€!, de salientar que as crianças de idade inferior a 12 anos não pagam a entrada. O bilhete dá acesso ao bar das piscinas onde é possível descansar, tomar uma bebida fresca no verão e relaxar após a caminhada pelos jardins. Altamente recomendado!